Seu navegador não tem suporte a JavaScript.

Notícia

Economia

16/06/2017 09:02 h

Seguro-desemprego cai apesar de aprofundamento da crise

Seguro-desemprego cai apesar de aprofundamento da crise

Apesar do aprofundamento da crise e um maior número de desempregados, o número de trabalhadores que recebe o seguro-desemprego no país caiu em 1,3 milhão.

Desde o início do período de recessão, em 2014, foram fechadas 3 milhões de vagas com carteira assinado, segundo os dados do Ministério do Trabalho.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, o aparente paradoxo é explicado pelo endurecimento nas regras estabelecidas para solicitar o benefício, anunciado pelo governo Dilma Rousseff (PT) poucos meses depois do início da recessão.

Àquela época, a taxa de desemprego estava abaixo de 7% e Dilma se preparava para assumir o segundo mandato. Atualmente, o índice de desemprego já chega a 13,6% da população ativa.

De acordo com a publicação, parte de um pacote de medidas para conter os gastos públicos, as novas regras do seguro-desemprego aumentaram o tempo de trabalho antes da demissão exigido para concessão do benefício.

"Essa política não está em consonância com a realidade atual brasileira", diz a economista Lúcia Garcia, coordenadora da pesquisa de emprego e desemprego do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos).

Para ela, as exigências deveriam ser abrandadas e o número de parcelas do seguro estendido para ao menos sete meses, como no passado.

"Esse dinheiro não é perdido", afirma. "Você está transferindo recursos para a sociedade manter o consumo".


Fonte: Noticias ao Minuto


  • Seguro-desemprego cai apesar de aprofundamento da crise






www.jornalcorreiodovale.com.br